Parentalidade (s) em Portugal: diversidades e problemas

Título do Projeto:
Parentalidade (s) em Portugal: diversidades e problemas

Data de início e de término
2015 a 2025

Investigadora Responsável
Prof. Doutora Margarida Mesquita

Equipa de Investigação

Nome dos Investigadores
Filiação Institucional
Margarida Mesquita CAPP/ISCSP
Elvira Pereira CAPP/ISCSP
Maria da Luz Ramos CAPP/ISCSP
Albino Cunha CEMRI/UA
Cristina Cunha Instituto Sociologia/UP
Dulcinea Gil --
Ana Gomes da Silva  ISCSP

  

Resumo do Projecto:

No último século as sociedades ocidentais foram alvo de profundas mudanças com importantes reflexos na parentalidade. Face a um crescente interesse pelas questões da infância e pelas crianças, criaram-se novas exigências e expetativas em torno dos papéis parentais complexificando-os. Nunca como antes os filhos assumiram um papel tão central nas famílias, às crianças foram assegurados um conjunto de direitos enquanto sujeitos (e não mais objetos) de direito, e as ciências vieram revelar efeitos do modo como são desempenhados os papéis parentais no desenvolvimento integral das crianças, evidenciando a importância de quer os pais quer as mães serem igualmente atentos, cuidadores, educadores e se envolverem efectivamente na parentalidade.

Contudo, as sociedades mantiveram elevados níveis de exigência de dedicação dos pais na esfera do trabalho; e as mães, tradicionalmente vistas como principais prestadoras de cuidados às crianças, integraram-se crescentemente no mercado de trabalho, passando a esperar-se delas uma dedicação nesta esfera semelhante à dos pais. Esta circunstância criou, desde logo, dois importantes desafios aos progenitores, frequentemente vividos como problemáticos, a conciliação de esferas e a procura de soluções socioeducativas e de guarda para os filhos, nos períodos em que ambos trabalham.

Por sua vez, a crise do estado providência veio reacender a expetativa de emergência de uma sociedade providência, sendo que na área da parentalidade se verifica que nem sempre as redes sociais estão ativadas.

O Índice Sintético de Fecundidade em Portugal é não só um dos mais baixos no conjunto dos países da UE como, desde 1982, que se deixou de assegurar a substituição natural de gerações. Contudo, o Inquérito à Fecundidade realizado pelo INE/Fundação Francisco Manuel dos Santos (em 2013) dá conta que os portugueses estão a ter menos filhos do que os desejados. Por outro lado, no caso português, a parentalidade poderá estar a ser vivida com particulares dificuldades uma vez que o país acompanhou os desenvolvimentos inerentes ao crescente interesse pelas crianças, as mães portuguesas são das que em termos europeus mais estão integradas no mercado de trabalho, que mais trabalham a tempo inteiro e em carreiras contínuas, revelando alguns estudos que Portugal é dos países com mais stress na conciliação trabalho-família, e que frequentemente são as famílias que mais necessitariam de apoio que menos apoios têm das redes informais.

Este projecto tem, assim, como finalidade saber como está a ser vivida a parentalidade em Portugal com vista a contribuir para a reflexão sobre as políticas públicas neste domínio.

Importando, para efeitos de Politicas Públicas e em particular, conhecer os projectos das famílias em termos de parentalidade e os problemas experienciados. E, procurar identificar diferenças na intensidade com que os problemas são vividos (quer intra quer inter) os diferentes tipos de família e entre as diferentes fases do ciclo de vida famíliar. Assim, o projecto procura responder às seguintes questões: Que projectos têm os progenitores no concernente à parentalidade? Como estão a viver a parentalidade? Que problemas enfrentam? Estarão os problemas distribuídos pelos progenitores em geral ou concentrados num grupo de progenitores em particular? O que carateriza os progenitores com mais problemas e que variáveis poderão ajudar a compreender a sua maior vulnerabilidade? Estarão os projectos dos progenitores em relação à parentalidade relacionados com os problemas que enfrentam? Que diferenças existirão (ao nível dos projectos relativos à parentalidade, o modo como a parentalidade é vivida e os problemas) entre as diferentes tipologias de família e entre diferentes etapas do ciclo de vida familiar?

Como objectivos, o projecto propõe-se:

  1. Caracterizar a parentalidade, com especial incidência nos problemas experienciados, em diferentes tipos de família e com crianças em diferentes idades;
  2. Identificar diferenças na parentalidade em função do tipo de família (nuclear, monoparental e recomposta) e da idade das crianças (pré-escolar, escolar e adolescente). Procurando corresponder a estes objectivos, o projeto irá basear-se no modelo de análise macrosistémica dos problemas na parentalidade (desenvolvido por Mesquita, 2014) e adoptar uma estratégia metodológica comparativa entre tipologias de família e compreensiva no que diz respeito às mudanças ocorridas entre as diferentes fases do ciclo de vida familiar.

O projecto decorre em três momentos a saber:

Fases

Objectivos

Calendarização

Fase Exploratória

Desenvolvimento do modelo de análise

Fase já concluída

Inquérito por Questionário

Conhecer os projectos sobre parentalidade e como está a ser vivida a parentalidade numa perspectiva comparativa entre tipologias de família

2015-2017

Estudos de caso

Identificar mudanças nos projectos de parentalidade e no modo como esta é vivida considerando a mudança de fase no ciclo de vida familiar

2016-2025

Últimas Entradas